sexta-feira, 11 de junho de 2010

Budapeste - relato de viagem 11/06/2010

Após doze horas voando finalmente chegamos à Budapeste. No avião Paris-Budapeste, que seguiria para o Paquistão depois, veio junto um grupo de cristãos estadunidenses com um reverendo e tudo junto. Pensei logo que se Al Qaeda seqüestrasse o avião, pelo menos a maluquisse do Lula fazendo acordo com o Irã valeria alguma coisa e os terroristas pudessem nos libertar, afinal é copa do mundo e tem jogo do Brasil dia 15.

No taxi do aeroporto para o hotel, já tomamos um esporro do taxista/torcedor da Alemanha/racista e que anda com uma bola de futebol na mala do carro. O taxi tinha ar condicionado, mas apesar do calor ele estava doente e não poderia liga-lo. Mas o esporro foi porque não sabíamos que temos a obrigacão de acrescentar 10% no pagamento de restaurantes e taxis.

Tudo bem, o recepcionista do hotel torce pelo Brasil e por causa disso ganhou da gente uma camisa da selecão.Trouxemos um monte da uruguaiana para comprar simpatias, dá certo.

Passeamos pela cidade que é linda e tranqüila. Chegamos à tão sonhada margem do Danúbio que realmente é um espetáculo.



Jantamos/almocamos à margem do Rio e é muito divertido chamar os outros de bunda suja com um sorriso simpático no rosto e receber outro sorriso de volta. Também não dá pra saber se eles fazem o mesmo.

Há uma praca no centro (Ersébet)) acho que é a Lapa daqui. Muita gente bebendo, fumando e conversando, gringos (aqui nós somos os gringos) e húngaros. 


Ainda não deu pra conhecer muito, mas foi uma lua de mel com direito a dia dos namorados untosà margem do Danúbio, isso dá música e poesia.


@cajuínas
Paulo Siqueira
Christiane Quintilliano

2 comentários:

  1. Pelo visto Budapeste é mesmo amarela e não cinzenta hehehe. Chico Buarque tinha razão mesmo?

    ResponderExcluir